SIGA NOSSOS CANAIS

Boletim revela 49 mortes por H1N1 no Ceará


A Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) divulgou nesta sexta-feira, 8, mais um boletim de dados com as notificações de Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG). A pesquisa revelou um aumento no número de casos notificados de influenza no Ceará. Até o fechamento do levantamento foram confirmados 405 casos desde o início do ano. Destes, 49 mortes por H1N1 foram registradas no Estado, três a mais do que na semana anterior. 

 Outras 14 mortes foram causadas pelos demais subtipos da influenza, sendo três por H3N2, dois por influenza A não subtipado e nove por influenza B. Cinco óbitos ainda são investigados pela Sesa. Do total de mortos, apenas três tinham tomado a vacina. Dos 405 casos de influenza confirmados, 70% deles (285) são de tipo H1N1. 

A região do Estado com maior número de casos é na Capital e Região Metropolitana. Fortaleza já teve confirmados 254 com 29 mortes; Caucaia teve 17 casos e duas mortes; e Maranguape confirmou 15 casos e uma morte. O ano de 2018 vem batendo recordes de notificações de casos. No boletim divulgado na semana passada, o número de mortos por influenza chegou a 59, o que igualou o número de toda a série histórica. 

Com as quatro mortes desta semana (três por H1N1), o Ceará últrapassa a média histórica e este ano se torna mais letal do que todos os outros anos da série histórica (2009-2017) somados. 

 Vacinação 
Segundo o levantamento feito pela Sesa, a meta de vacinação do público prioritário foi batida. Até a manhã desta sexta-feira, 8, 90,26% das pessoas do grupo foram vacinadas. A meta foi alcançada na última quarta-feira, 6, às 14 horas. 

O Ceará foi o terceiro estado do País a bater a meta de vacinação e o primeiro do Nordeste. Além do Estado, Goiás e Roraima já haviam passado dos 90% previstos. A campanha de vacinação nos postos de saúde segue imunizando o público-alvo até a próxima sexta-feira, 15.