8 de jan. de 2021

Uninta deixa o Guarany e um legado de promessas; A saga dez anos em 2, o fim oficial



Apesar do grupo Uninta ter sido responsável pela sobrevida dada ao Guarany de Sobral nos últimos dois anos, além das conquistas que devolveram o time ao cenário nacional, muitas promessas ficaram pelo caminho e, hoje temos uma legião sobralenses decepcionados pela desilusão.

Durante entrevista à imprensa local, o presidente Mauro Fuzaro confirmou aquilo que já era esperado e que o Atrás do Gol já vinha catequisando, oficialmente o grupo Uninta não é mais o patrocinador master do Guarany Sporting Club. A informação foi repassada na noite desta terça-feira (05), e, de certa maneira não foi uma novidade de grande impacto para quem acompanha o clube de perto, mas para a maioria dos torcedores o sentimento é de decepção.

No momento em que assumiu o rubro negro sobralense, Dr. Oscar Rodrigues, Reitor do Centro Universitário Inta – Uninta – foi vital para a manutenção do clube que se encontrava abandonado pelos investidores da cidade, quase nenhum empresário, seja pequeno, médio ou grande, exceto o atual presidente Mauro Fuzaro, teve a coragem ou complacência de contribuir para que o Guarany ganhasse uma sobrevida, contudo, por trás de todas as conjecturas e narrativas de esperança ao torcedor bugrino, havia um interesse espúrio.

De olho nas eleições municipais de 2020, o sócio majoritário do grupo Uninta resolveu ajudar o Guarany. Aquela altura era a única esperança, pois o clube com dívidas e causas perdidas à revelia na justiça Pernambucana que determinava o pagamento de R$ 150 mil descontados direto na fonte, impediam o clube de receber qualquer valor, desta forma o prefeito Ivo Ferreira Gomes, ciente da situação, não aceitou efetivar repasses, uma vez que verba pública não deve pagar dívidas de instituição privada.

Contudo, antes do Centro Universitário assumir a manutenção do clube, o prefeito Ivo Gomes chegou a se reunir com cerca de cinquenta empresários da região na tentativa de prospectar novos investidores, porém a reunião foi um fracasso, nenhum ‘homem de negócio’ mostrou interesse pelo “coitado” do Guarany, mas um fora do eixo de alinhamento com a gestão municipal, já estava adiantando os trâmites, naquele mesmo momento.

Ao Assumir o compromisso com o patrimônio cultural, Guarany de Sobral, Oscar fez inúmeras promessas ao torcedor, que acreditou, se iludiu, mal sabia que ali estava um pré candidato a prefeitura sobralense, foi nesta pegada que em 2019, o Guarany recebeu investimentos do patrocinador, que manteve folhas salariais de até R$ 260 mil, além de outros investimentos que na frente (hoje) fazem parte do seu próprio patrimônio.

Promessas de Dr. Oscar Rodrigues

Categorias de Base do sub 10 ou sub 23;

20 núcleos nos bairros e distritos de Sobral;

Levar o Guarany de Sobral a Série A do Campeonato Brasileiro, em sete anos;

Negociar e pagar as dívidas trabalhistas;

Construção de Centro de Treinamento;

Construção de Estádio Próprio;

Campeão de todas as competições;

Camisa não seria Abadá;

Estruturação – Setores com profissionais em cada área;

Captação de recursos públicos;

Ônibus, dentre outras.

Realidade

Nos dois anos em que o Uninta esteve como patrocinador Máster, o bugre conquistou duas taças simbólicas de campeão do interior do campeonato cearense. Em 2019 quatro participantes da primeira divisão eram do interior, Barbalha (4º), Horizonte (7º), Guarani de Juazeiro (8º) e Iguatu (9º), além do Guarany que acabou em 3º lugar, garantindo a vaga da Série D do ano seguinte. Já em 2020, conquistou pela terceira vez a taça padre Cícero, na 4ª colocação, seguido de Caucaia (6º), Pacajus (7º), Barbalha (8º) e Horizonte (10º).

Recebendo a taça padre Cícero, Campeão do interior, 2019. Na foto: Presidente Mauro Fuzaro, representante da FCF, goleiro Douglas e o ex patrocinador Oscar Rodrigues. (Foto:Reprodução/Sobral24horas)

Em um ano conturbado devido a crise sanitária provocada pelo novo coronavírus, o Guarany fez um belo início de temporada e chegou a ser campeão simbólico do primeiro turno do campeonato cearense de 2020 e garantiu uma vaga na Copa do Brasil de 2021, e também a manutenção da Série D, uma vez que na disputa do certame nacional o rubro negro fez uma das piores campanhas de sua história.

No mais, de todas as promessas, esses foram os êxitos que o bugre conseguiu, mas para além de todos os compromissos não cumpridos, está o contrato que deveria acabar em meados de 2028, isso mesmo, o patrocinador, que por alguns momentos foi posto como mantenedor – o que de fato era – propôs logo na primeira reunião em que recebeu membros da diretoria, que o contrato fosse assinado por dez anos, contudo, se transformou em dois, logo após o resultado das urnas, no pleito municipal.

Ônibus comprado para o Guarany usava para translado até o rompimento com patrocinador (Reprodução/sqnamídia)

E até ontem à noite, o Guarany tinha um ônibus! – Isso mesmo, dessa forma, verbo conjugado no passado – Tinha! Uninta deixa o Guarany e leva o ônibus, que inclusive já ganhou nova roupagem da Centro Universitário. Em breve veremos ele desfilar nas ruas de Sobral, e nos lembraremos “Ishi lá vai o ônibus que era do Guarany”!

Quase responsabilizado pelas dívidas

Uma decisão tomada pela Justiça do Trabalho do Estado Ceará, em julho de 2019, obriga o Guarany a pagar multa de R$ 850 mil em um prazo de 15 dias. Isso levantou a hipótese do patrocinador master Uninta adiantar o abandono e deixar de financiar o Cacique do Vale. O juiz Lucivaldo Muniz Feitosa, da comarca de Sobral responsabilizava o patrocinador pelas dívidas trabalhistas contraídas antes do seu apoio, e embasava-se por matérias de blogs da região.

Ficou parecendo uma contrapartida de âmbito politiqueiro, mas a situação foi contornada quando comprovado que legalmente o patrocinador era mesmo, apenas um parceiro do Cacique.

As consequências da crise – Mais processos trabalhistas

Logo que estourou o número de casos de Covid 19 no Brasil e no estado do Ceará, as competições futebolísticas foram paralisando. Após a suspensão do campeonato cearense, os atletas passaram a reclamar de salários atrasados, o patrocinador informou que uma cláusula do estatuto da instituição não permitia que, em caso de crise humanitária, destinasse valores à patrocínios, e, foi a partir daí que as coisas começaram a mudar.

Nuvens carregadas sobrevoavam o desgastado Guarany, atletas deixaram o clube e assinaram com outros, lógico, todos precisamos sobreviver, diretores se debandaram, outros demitidos, mais processos trabalhistas, Uninta sendo citada no processo como mantenedora, mas contratualmente e legalmente era apenas um apoiador, enfim, foi um período de escárnio até chegarmos à nudez, o rubro negro sobralense não tinha um time, eram apenas calções e camisas com escudo e logomarca.

Por fim, após a debandada, concluiu o campeonato cearense ajudado por Fortaleza e Ceará que cederam atletas da base para compor um time que pudesse cumprir tabela nas semifinais do estadual.

Vexame

Na Série D de 2020, o Guarany foi o saco de pancadas, terminou a fase classificatória em último, sob o comando do faz-tudo Thiago Dias, anteriormente diretor administrativo, mas que assumiu toda a responsabilidade após a “fuga dos guabirus”, inexperiente, contratou e gastou além da conta e não obteve nada mais que duras críticas que ele levou no “pagodinho”, “sem crises”.

Você Sabia?

A marca próprio ‘Cacique’ não está registrada em nome do Guarany Sporting Club. Pois é, ainda não se sabe exatamente quem está lucrando com a venda dos materiais do Cacique do Vale, o que se sabe é que a marca não é oficialmente do rubro negro, ou seja, alguém está mamando nessa “tetinha” magra.

O que restou

O que restou de bom ao Guarany, é que receberá valores que giram em torno de R$ 550 mil, pela participação na Copa do Brasil e também por direitos de transmissão de TV.

Sob nova gerência

Mas já que o clube está neste momento sob a gerência do experiente Luiz Melo Torquato Filho, filho do excêntrico e folclórico Luiz Melo Torquato, o torcedor mantém a esperança de dias melhores, uma vez que Luisinho retorna ao clube após quase uma década de serviços à Federação Cearense de Futebol (FCF), uma bagagem complementa, vontade de trazer mudanças ao time do seu coração e o apoio massivo da torcida sobralense.

A nova administração com Luizinho, mantém o Presidente Mauro Fuzaro, reformula outros setores para se preparar para muito trabalho, enormes desafios, caminhando ao lado de milhares de bugrinos que os apoiam.

Fonte: atras do gol/Rondinelly Mota

Não esqueça de compartilhar essa notícia!

Publicação anterior
Próxima publicação

0 comentários: