19 de ago. de 2021

Bebê prematura nascida com 620g no HRN recebe alta após três meses de internação; veja o vídeo


Nascida prematura de 24 semanas de gestação, pesando apenas 620 gramas, Maria Ritta passou por muitos desafios até receber alta. A mãe da criança, a dona de casa Francisca Leiliane Miguel de Alcântara, de 37 anos, tinha um mioma no útero e, por isso, o parto foi realizado antes do tempo previsto, no dia 5 de maio, no Centro de Parto Normal do Hospital Regional Norte (HRN), da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), administrado pelo Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH).

A bebê precisou ser internada na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (Utin) e depois passou por outros setores da Neonatologia do HRN. Após três meses e 12 dias de internação, as duas puderam ir para casa. A alta ocorreu sob aplausos da equipe na terça-feira (17). Na saída, a criança estava com pouco mais de 2,5 kg.

Leiliane ressalta que viveu momentos difíceis quando a filha ainda estava na Utin, mas foi apoiada por toda a equipe. “Só tenho a agradecer a todos do hospital que me deram apoio, que me acolheram. Aqui, eu me senti em casa e, graças a Deus, agora vou levar minha filha para casa”, destaca. O esposo de Leiliane, Edvaldo Carlos de Alcântara, de 34 anos, lembra que acompanhou o parto e ficou em contato para apoiá-la. “Eu sempre ligava para ela e dizia que o pior já tinha passado”, lembra o pedreiro.

Segundo a médica neonatologista do HRN, Renata Freitas, o serviço da Neonatologia vem evoluindo para a recuperação das crianças prematuras. “As altas de bebês nascidos tão prematuros estão cada vez mais frequentes”, pontua.

Prematuridade

Freitas explica que o melhor para a criança é nascer dentro do período esperado, a partir das 37 semanas de gestação. “Quanto mais tempo no útero, melhor será a evolução da criança. Um prematuro pode sofrer problemas pela falta de maturidade dos órgãos e ter acometimentos renal, neurológico e pulmonar”, alerta.

Em muitos casos, a prematuridade pode ser evitada com um pré-natal adequado, que possa identificar doenças pré-existentes e infecções, além de um planejamento dos filhos, de acordo com a médica. A médica destaca que, durante a pandemia de Covid-19, houve uma elevação no número de crianças nascidas prematuramente. “Percebemos um aumento no número de nascimentos prematuros durante a pandemia, tendo como causas não apenas as mães que tiveram a doença, mas também doenças crônicas não controladas durante o pré-natal e gravidezes não planejadas”, avalia.

Ouça o áudio da dona Francisca Leiliane:

Não esqueça de compartilhar essa notícia!

Publicação anterior
Próxima publicação

0 comentários: